quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Amor-Próprio, a melhor forma de amor

Qual é, afinal, a dificuldade de nos entusiasmarmos com quem nós somos?! Quando estamos apaixonados, sentimos aquela chama, aquele entusiasmo pela outra pessoa. Então, não é assim tão penoso sentirmos isso por nós mesmos. 
Quero levantar-me da cama com energia. É mais um dia! Olho para o espelho e penso "Eu sou bonita, por dentro e por fora". Não sou perfeita, mas a minha beleza está nisso. Sou feliz como sou. Irei aprender e evoluir.
Estou pronta para enfrentar mais um dia. Ninguém me vai derrubar. Sou jovem, tenho muitos sonhos para prosseguir e não vou perder tempo a contemplar recordações do passado. Pergunto a mim mesma "Hoje já fiz algo para chegar mais perto dos meus objectivos?" e sinto orgulho de mim mesma quando respondo que sim. Quando dou esses pequenos passos, sinto que estou a cuidar de mim, que o meu amor-próprio não se resume a meras palavras vazias.
Cuido de mim. Sou merecedora desses cuidados porque sim! Visto-me com algo que me valorize, ou simplesmente com o que gosto. Não sou escrava das minhas roupas, elas servem para expressar quem eu sou. Eu uso-as. Elas não me usam. Ninguém me usa.
Calço os meus sapatos. Não são de cristal, nem precisam de o ser. Transportam os meus pés para onde eu quero estar. São bonitos? Claro que são. Perfeitos? Nada é perfeito. 
Hora de me maquilhar. Tenho pressa e não preciso disso. Mas acho que posso arranjar um bocado para celebrar o quanto gosto dos meus olhos... da minha boca... do tom chocolate da minha pele... Enfim, vou mesmo maquilhar-me. Confesso que gosto de me embonecar. Termino a minha maquilhagem com um sorriso.  Realça mais os meus lábios do que batom. 
Antes de sair de casa, retoco a minha mente e o meu coração. O meu namorado espera-me impaciente, olhando para as horas. Mas eu não apareço quando ele quer, só quando estou pronta. Se ainda não desci as escadas antes, foi porque não estava preparada.
Poderei ser bem sucedida à primeira. Também poderei cair, mas levanto-me. Poderei até cruzar-me com outras pessoas no corredor, aprender com elas e seguir caminho. Só me atrapalham se eu quiser.
E se não encontrar ninguém à minha espera? Vou passear sozinha. Que mal há nisso?!
No meu caso, ele está lá em baixo. Veio buscar-me quando estava pronto.
Desci sem problemas. O amor-próprio aparou-me as quedas.

Feliz dia de S.Valentim!